Aprender e ensinar

Aprender e ensinar

 

Aprender e ensinar

Quando confrontados com esta questão, somos rápidos a responder afirmativamente. Grande parte das vezes, acrescentando clichés como “parar é morrer !”, “aprender sempre” ou “tenho muito para crescer” entre outras mais ou menos arrojadas, originais, mas sempre semelhantes no seu conteúdo! Ainda há uns que se distinguem, alegando que aprendem todos os dias com a sua equipa quase convencendo-se que acreditam nisso.

Aprender e ensinar!

Capacidade de interiorização e de registo

Tomara haver capacidade de interiorização e de registo para absorver tanta informação e tão rica que nos fica ao longo das diversas experiências que vamos vivendo lado a lado uns dos outros e ao longo do tempo. Podermos quantificar numa escala de um a dez a influência que algum desconhecido, apenas porque que nos deixou passar na passadeira (ou não), teve no nosso dia ou mesmo nas nossas vidas seria deveras interessante e surpreendente.

Sequiosos de aprender

E estar ciente disso? Assumir perante nós próprios e perante alguém que estamos sequiosos de aprender, mesmo até nas áreas onde me considero um talento e um pró totalmente habilitado a ensinar os outros nessa mesma matéria?

Onde e como aprender?

Se somos os melhores vendedores e somos um verdadeiro talento nessa matéria, podemos e devemos objectivar perante seja quem for ou perante nós próprios, que é naquele vector bem definido que pretendemos evoluir. O melhor e mais talentoso poderá aprender com aquele que não o é. No mínimo o que ele sente perante a presença de alguém tão talentoso…

Afirmar que “é aqui que sei menos” ou pela positiva, é isto que quero aprender, é difícil!

Quanto tempo investir a potenciar o que não sei fazer tão bem e quanto tempo e foco devo investir no meu talento e desenvolve-lo? Uma proporção 10 para 90?

Especificidade e Genuína HUMILDADE!

Quero mesmo aprender contigo!

Quero mesmo aprender contigo!

Um abraço

Hugo Andrade Isidoro